<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=488926721270482&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Tendências
10 de Junho de 2020.

Sistemas de automação residencial avançam e se tornam mais acessíveis

Considerada uma tendência global no mercado da construção e arquitetura, a automação deixou de ser um aspecto valorizado exclusivamente por aficionados em tecnologia e vem se tornando comum de muitos projetos de moradia, com custos relativamente baixos e trazendo muita praticidade ao dia a dia.

O consultor Jorge Miaki, da empresa AVPRIME, especializada em automação, explica que é possível incorporar projetos simples à unidade gastando a partir de R$ 2 mil — valor baixo, se considerarmos os gastos iniciais após a entrega das chaves de um imóvel. Um projeto desse tipo, mais simples, costuma incluir, por exemplo, o controle de home theater, TV e mais um sistema de iluminação — que, por sua vez, pode conter vários pontos de luz, com dimers ou switches. Tudo acionado por controle remoto, por aplicativo de celular ou ainda por assistentes de voz (Alexa, da Amazon ou Google Home).

Com esse sistema, explica o consultor, é possível acender as luzes ou ligar os sistemas de som remotamente, de qualquer lugar do mundo — já que o modelo é baseado em internet. É possível, ainda (no caso das assistentes de voz), acionar os sistemas por meio de comandos simples, como “acenda a luz” ou “ligue o som”.

Miaki explica que na maioria dos projetos simples, não há necessidade de reformas ou mudanças de ordem arquitetônica, já que os sistemas mais modernos são do tipo “plug and play”. Ou seja, basta conectar os aparelhos a uma tomada que tudo funciona normalmente. O principal equipamento desse sistema é um roteador específico para automação, que é diferente dos usados para internet.

Para projetos mais ambiciosos, no entanto, na maioria dos casos é necessário um planejamento específico com uma equipe especializada, que irá avaliar, entre outras coisas, a qualidade do sinal de internet nos diversos espaços do imóvel (fundamental para o bom funcionamento) e que poderá envolver, aí sim, pequenas reformas. Mas em espaços mais compactos, como um apartamento studio, isso não seria uma dificuldade.

Projetos mais sofisticados podem incluir controles de cortinas, ar-condicionado, som, iluminação de todos os cômodos e áreas externas (no caso de casas), além da instalação de câmeras para facilitar o monitoramento remoto. É possível, ainda, incluir fechaduras automáticas que podem, por exemplo, serem acionadas por GPS quando o proprietário estiver a uma distância pré-determinada do imóvel (trancando a porta automaticamente) ou que permite enviar, também de forma automática, uma mensagem de SMS aos pais avisando que a criança acaba de chegar em casa e abrir a porta. Custo do projeto completo: a partir de R$ 40 mil.

É possível imaginar, com base nessa infinidade de recursos, todos os benefícios da automação em apartamentos em São Paulo ou em qualquer outra cidade grande. Eles vão dos mais óbvios, como o uso de apenas um controle remoto em vez de três ou mais (um para a TV, outro para o home-theater e um terceiro para o ar condicionado) até outros mais, digamos, estratégicos, como a possibilidade de abrir seu apartamento SP remotamente para um parente mesmo estando fora da cidade.

Como lembra Miaki, o ganho de escala dos fabricantes de componentes ocorrido nos últimos anos e a popularização desses sistemas estão tornando a automação mais acessível. E as possibilidades oferecidas por esses sistemas ainda são a ponta do iceberg de uma revolução que está só começando.