<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=488926721270482&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Comprar e negociar
6 de Outubro de 2021.

Como comprar imóvel com financiamento imobiliário

Pode parecer clichê, mas o sonho da casa própria ainda é o grande desejo da maioria dos brasileiros. Porém, somente uma pequena parcela da população possui recursos para comprar um imóvel à vista, restando, então, a opção de contratar um financiamento imobiliário. Atualmente, diversas instituições financeiras oferecem opções de crédito para compra de imóveis, com condições, taxas, prazo de pagamento e valor de empréstimo que variam de acordo com o tipo de imóvel e perfil do cliente.

Mas antes de dar esse importante passo, saiba que disciplina e planejamento financeiro são quesitos indispensáveis!

De acordo com Angela Costa, especialista em mercado imobiliário e criadora do canal Descomplica Imob, o financiamento de um imóvel envolve uma série de pontos que vão desde a escolha do bairro onde ele está localizado a verificar previamente com algum banco, ou na instituição financeira na qual a pessoa possui conta, se existe algum crédito pré-aprovado para financiar um imóvel. “Contar com um corretor de imóveis, ser criterioso no levantamento da documentação e ter um bom relacionamento com a instituição financeira na qual pretende contratar o empréstimo para comprar o imóvel são pontos que podem ajudar na hora de ter o crédito aprovado”, explica Costa.

Saiba, a seguir, qual o passo a passo na hora de financiar um imóvel!

1 – Quanto consigo de crédito para financiar um imóvel?

Muita gente acredita que o primeiro passo antes de financiar um imóvel é escolher a localização, pensar, por exemplo, na cidade e bairro onde deseja morar e na configuração do apartamento. Claro, você até pode ir analisando esses pontos, porém, especialistas recomendam que, antes desta etapa, a pessoa verifique o valor de crédito disponível para o seu perfil. Uma sugestão é verificar com o banco com o qual possui um bom relacionamento quanto de crédito teria disponível.

Outra opção é realizar uma simulação em plataformas que fazem o comparativo de taxas, condições e valor das parcelas. Importante lembrar que a maioria das instituições financia até 80% do valor do imóvel, ou seja, tenha em mente que você deve ter 20% do recurso para a entrada.

2 – A escolha do imóvel

Com a ideia do crédito disponível, agora é possível começar a pensar no apartamento SP ideal. Além de definir o tipo de imóvel e configuração, como número de quartos, banheiros, com ou sem varanda gourmet, vagas de garagem e área de lazer, definir o bairro ideal, analisar o acesso ao transporte público, infraestrutura no entorno e potencial de valorização da região são itens que devem ser postos na balança na hora de escolher.

3 – Parcela do financiamento e renda

O valor máximo da parcela de um financiamento imobiliário normalmente é 30% da renda bruta familiar, ou seja, uma família que possui renda de R$ 15 mil, por exemplo, não pode ter uma prestação que ultrapasse R$ 4,5 mil. “A parcela não pode ultrapassar os 30% da renda familiar. Claro que tem bancos que, dependendo do scoring do cliente, podem chegar até 35%. O scoring é uma pontuação de crédito utilizada por instituições financeiras e que pode aumentar ou diminuir as chances de conseguir o empréstimo”, lembra a especialista em mercado imobiliário.

Quem é autônomo também pode comprovar renda por meio do extrato bancário e do Imposto de Renda (IR).

4 – Envio da proposta e chances de aprovação do crédito

Definidos o valor do financiamento, o imóvel e o comprometimento de renda familiar para pagar a prestação, o passo seguinte é o envio da proposta ao banco ou instituição financeira escolhida.

E nessa hora surge a dúvida: qual a chance de o crédito ser aprovado? Na verdade, não há garantias, mas alguns fatores podem ajudar.

Se você possui um bom relacionamento com o banco escolhido, não possui pendências financeiras e realiza suas transações bancárias utilizando a conta corrente da instituição, tudo isso gera um scoring positivo que, certamente vai contar na hora da análise de crédito. “Todas as instituições financeiras fazem a checagem na análise de crédito consultando Serasa e SPC, por exemplo, para avaliar o comportamento da vida financeira do cliente. Tentar não fazer dívidas desnecessárias e pagar as contas em dia pode ajudar na hora da aprovação”, diz Costa.

Caso você queira utilizar seu FGTS, será necessário levantar o saldo que possui para pedir a liberação na Caixa.

5 – Documentação necessária

Junto com o envio da proposta também são pedidos todos os documentos necessários para o financiamento, comprovantes de renda, de residência, documentos pessoais e certidões de todos que farão parte da transação.

Nesta etapa também é analisada a documentação do imóvel.

6 – Avaliação do imóvel

Caso esteja tudo certo com a documentação e com o imóvel (que, afinal, é a garantia do banco), o banco fará a avaliação do imóvel, processo realizado com a presença de um engenheiro ou arquiteto credenciado. Essa avaliação serve para confirmar a compatibilidade entre o preço da propriedade e o valor de mercado, bem como se o apartamento possui todas as condições que possibilitem que ele seja financiado. 

7 – Contrato

Com a proposta aprovada e com todas as condições atendidas, chega o momento de colher as assinaturas dos compradores, vendedores e da instituição financeira. Também é a hora de efetuar o pagamento do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e de registrar o contrato no cartório.

8 – Liberação do financiamento

Pronto, se você chegou até essa etapa, parabéns! Chegou o momento de enviar o contrato registrado para a instituição financeira e aguardar a liberação dos recursos que serão depositados na conta do vendedor.