<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=488926721270482&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Comprar e negociar
4 de Abril de 2018.

Imóvel para Comprar: A melhor opção é à vista ou financiado?

Algumas decisões na vida não são nada fáceis. E invariavelmente aquelas que envolvem investimento financeiro preocupam ainda mais. A hora da escolha de um apartamento pode gerar alguns questionamentos, sobretudo se você tem dúvidas sobre o que é mais vantajoso: comprar ou financiar um imóvel?

 

Se por um lado comprar a vista é melhor no sentido de evitar dívidas e juros, ter todo o dinheiro necessário para a compra do imóvel dos sonhos é privilégio de poucos.

 

Comprar imóvel: É importante calcular o financiamento

Afinal de contas, você não pode correr o risco de ficar sem reservas ou de investir grandes quantias, principalmente quando não sobra para isso.

No momento em que você vai comprar um imóvel na planta, geralmente é necessário dar uma entrada de aproximadamente 10% do valor.

Mais 20% do total deve ser pago, em parcelas direto para a incorporadora, até a entrega do empreendimento.

Na hora de receber as chaves, o comprador deve quitar o saldo com capital próprio ou conseguir um financiamento bancário, que normalmente dura décadas.

O valor da prestação do financiamento da compra de um apartamento não deve exceder os 30% da renda dos participantes.

Por isso, para que as parcelas não acabem pensando demasiado no seu bolso é importante calcular o financiamento.

Neste quadro você pode consultar a taxa média de juro de financiamento imobiliário comparando as principais instituições de crédito segundo o Banco Central do Brasil.

Depois de um período de recessão, entre 2015 e 2018, que derrubou a concessão de crédito imobiliário por quatro anos consecutivos, o setor começou a reagir.

A redução da taxa básica de juros se refletiu em um financiamento mais barato. O que pode significar parcelas mais baixas e que podem aliviar o bolso de quem está procurando um imóvel para comprar. Hoje o juro básico brasileiro é o menor da história.

 

Como usar suas aplicações para a compra do imóvel?

Se você tem dinheiro em poupança ou aplicações em ativos e passivos, considere resgatar valores.

No entanto, avalie qual será a perda de retiradas antecipadas. Muitos investimentos acabam penalizando quem retira quantias parciais ou totais.

Compare o valor do juros do financiamento e o percentual a ser descontado no resgate dos seus investimentos. Essa conta pode revelar que o momento certo para fazer uma retirada chegou antes do previsto.

Quando o assunto é investimento, o brasileiro é bastante conservador. Mas a redução da taxa de juros básicos (Selic), que atingiu os níveis mais baixos da história em 2020, reduz mais os ganhos da renda fixa e aumenta a pressão sobre os investidores para que diversifiquem suas carteiras.

Isso quer dizer que talvez seja uma boa ideia pegar uma parcela do dinheiro que tem aplicado e investir num imóvel. Se as taxas de juro sobre as aplicações estão bem mais baixas, então o retorno desses investimentos são menores.

Nesse sentido, se você comprar um imóvel e decidir não fazer um financiamento para pagar e usar esse dinheiro à vista talvez você não esteja perdendo dinheiro.

Em resumo, pagar à vista significa conseguir um bom desconto no valor do imóvel. Por outro lado, se os juros do financiamento forem menores do que o rendimento que você tem nas suas aplicações, talvez seja mais interessante você recorrer ao crédito para pagar seu novo apartamento.

Nova call to action