<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=488926721270482&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Comprar e negociar
1 de Agosto de 2018.

Pretende ter filhos? Não se esqueça disso na hora de escolher seu novo apartamento

Saiba quais os itens que devem ser levados em consideração na hora de adquirir um imóvel para quem está pensando em ampliar a família

Depois de um certo tempo juntos, um casal começa a se planejar para comprar um apartamento. E como uma decisão como essa vai impactar no futuro do casal, por mais que ambos já tenham definido qual o imóvel ideal, é importante ter em mente um outro item: querem ter filhos em breve ou não?

Se a resposta for sim, o planejamento para a compra de um imóvel deve incluir não só as necessidades atuais do casal, mas também as futuras expectativas para a chegada de uma criança. Afinal, de nada adianta escolher um imóvel que precisará ser trocado dentro de alguns anos, principalmente se for contar com financiamento bancário.

Mas afinal, quais são os itens que você deve levar em consideração na compra de um imóvel se está planejando ter filhos? As respostas para isso vão muito além de um simples quarto a mais ou um de um imóvel maior.

Abaixo, listamos algumas das características que estão entre as mais recomendadas pelos especialistas e que também são os principais desejos dos consumidores.

Comprar um apartamento: tamanho é documento?

Essa é uma dica que parece óbvia, mas é preciso explicar melhor o que queremos dizer com tamanho do imóvel. O primeiro aspecto a ser considerado é de que a criança vai precisar de um quarto para ela. E isso significa um espaço agradável que seja suficiente até ela chegar à adolescência.

Portanto, não tenha como parâmetro apenas o quarto de um bebê, mas sim o quarto de um solteiro em termos de espaço. A decoração pode se adequar ao longo do tempo, mas o espaço precisa ser satisfatório para que o seu filho tenha uma boa privacidade quando assim desejar.

Além disso, não falamos apenas de um quarto para o seu filho. Criança ocupa espaços pela casa, com brinquedos e suas atividades. É importante que ela possa ter espaço para espalhar seus brinquedos, poder circular com segurança e crescer com o mínimo de conforto.

Conheça o perfil dos moradores

Outro item que deve ser levado em consideração é o perfil do condomínio em questão. Existem locais em que há maior concentração de jovens solteiros, enquanto em outros há maior predominância de famílias, por exemplo. Se interagir com os vizinhos da mesma idade é um diferencial que você acredita ser importante para o seu filho, então analise também esse aspecto.

Você deve conferir ainda quais são as áreas de lazer disponíveis no local. Brinquedoteca, quadra poliesportiva e playground, por exemplo, são áreas que serão muito frequentadas por sua família durante um bom tempo. Valorize os imóveis que tiverem áreas comuns como essas.

Localização: o que há por perto?

Cada família tem as suas prioridades na hora de comprar um apartamento, e a mesma regra se aplica àquilo que há nas proximidades. Estabelecimentos como mercado, farmácia e restaurantes podem ser importantes para os pais, mas quando se trata das crianças outras prioridades entram na lista.

É preciso pensar, por exemplo, se há escolas nas proximidades, se as ruas no entorno são seguras para se andar a pé – o que será importante quando eles crescerem – e se há opções acessíveis de transporte público na região.

Novamente, é preciso pensar não apenas no agora e nas suas preferências, mas também nas necessidades que virão pela frente. Caso contrário, é bem provável que quando seu filho completar cinco ou seis anos você já esteja em vias de procurar outro imóvel, tendo deixado para trás todas as benfeitorias e investimentos que fez no atual.

E se a família crescer?

Atualmente, as famílias brasileiras têm em média 1,74 filhos. Esse índice é menor do que já foi no passado. Para se ter uma ideia, nos anos 2000, os números de IBGE indicavam uma média de 2,14 filhos por mulher.

Isso significa que os imóveis acompanham essa tendência. Apartamentos que preveem espaço para um casal com um filho são os mais comuns. Mas pode ser que em seus planos vocês queriam ter mais de um filho e aí a coisa muda de figura.

Quartos em que os irmãos vivam juntos são adequados apenas até uma certa idade. Depois dos sete ou oito anos, certamente eles vão querer ter um pouco mais de privacidade. Será que o imóvel em questão suporta isso?

Todas essas perguntas devem ser feitas na hora de comprar um apartamento, e não depois. Afinal, a adaptação será muito mais difícil se não houver espaço suficiente.

Fuja das compras por impulso

Se os filhos fazem parte dos seus planos para os próximos anos, então esse fator deve estar presente no planejamento da compra de um imóvel desde o princípio. De nada adianta comprar um apartamento menor hoje, que atende as necessidades atuais, se, antes mesmo de estar quitado, o local já não atenderá mais as suas expectativas.

Um investimento como esse deve ser algo perene e duradouro, que traga tranquilidade e se adapte ao seu futuro. Claro, não se trata de ter a perspectiva de que você vai morar para sempre no mesmo lugar, mas é preciso ter uma certa flexibilidade caso as crianças venham logo depois da compra.

O mais importante sempre é pesquisar. Hoje em dia há muitas boas opções de imóveis, que atendem aos gostos e anseios da maioria das pessoas. O apartamento deve se adaptar às suas necessidades, e não o contrário. Dessa forma você garante muito mais tranquilidade em médio e longo prazo para quitar seu imóvel sem pensar em se mudar dele.

Nova call to action