<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=488926721270482&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Na hora de fechar negócio
12 de Setembro de 2018.

É uma boa hora para comprar imóvel? Veja dicas e descubra

Comprar imóvel agora ou esperar? Esta é uma dúvida frequente dos que estão se preparando para investir na casa própria, mas ao mesmo tempo estão preocupados com as taxas de juros, preços dos apartamentos e mudanças que podem surgir na economia.

Se você está indeciso e quer saber se é hora de comprar um imóvel, saiba que 2018 é um ano positivo para quem poupou e se preparou para isso. Essa conclusão pode ser tirada ao avaliar itens como a relação entre oferta e procura, além do patamar da taxa Selic. 

Esse cenário despertou seu interesse? Então, entenda os motivos que apontam 2018 como um bom momento para adquirir uma residência.

Maior oferta: é uma boa hora para comprar imóvel 

Um estudo feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), em parceria com a Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), mostrou que em 2017, houve um aumento em 18% no lançamento de imóveis no Brasil. 

Já em São Paulo, segundo Secovi-SP (Sindicato da Habitação), no mesmo ano o aumento foi de 28,7 mil novas unidades, 48% em relação ao ano anterior. As vendas também cresceram na capital paulista e terminaram o ano negociando 23,6 mil habitações. Esse número é 46% superior ao registrado em 2016 .

A grande disponibilidade facilita os planos de quem quer negociar e encontrar o apartamento ideal, ou seja, é uma boa hora para comprar imóvel.

Taxas de juros foram reduzidas

Outro fator importante que deve ser avaliado para saber se é hora de comprar imóvel agora ou esperar, é a taxa de juros. 

A Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é a taxa básica de juros da economia brasileira e teve uma grande queda nos últimos anos. No começo de 2016 ela estava em 14,25% e, desde então, foi caindo gradativamente. Em 2018, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) determinou que a Selic será mantida em 6,5% ao ano.

Por mais que a taxa Selic não seja a mesma aplicada pelos bancos no crédito imobiliário, ela acaba balizando a redução nas taxas de juros de todo o mercado e essa queda é positiva para quem pretende realizar o financiamento de um imóvel, pois significa diminuição direta nas parcelas e, consequentemente, no valor total, quando comparado a períodos em que as taxas eram mais elevadas, por exemplo. 

Além disso, redução no valor de parcelas pode significar economia ou a possibilidade de financiar um imóvel mais caro. Afinal, as parcelas são menores mas o orçamento é o mesmo. 

Também vale ressaltar que a taxa Selic baixa não vai durar para sempre e varia de acordo com o cenário econômico e político brasileiro. Atualmente, a queda visou estimular a política monetária. Especialistas acreditam que em 2019 ela volte a subir para níveis entre 8% e 8,5%. 

Em ano de eleição, como em 2018, é válido lembrar que os cenários econômico e político brasileiros estão sujeitos a instabilidades. Quando extremas, em termos eleitorais, por exemplo, podem resultar em uma disparada do risco Brasil e do dólar.

Alta do dólar, volta da inflação e até incertezas de mercado trazidas pelas eleições de 2018 podem fazer com que o Banco Central decida antecipar a elevação dos juros. Por isso, quem pretende comprar um imóvel, deve começar a pesquisar o quanto antes para aproveitar esta boa fase. 

Você se planejou? É hora de comprar imóvel

Embora o momento esteja positivo para todos os compradores, pelos valores mais baratos do imóvel e também pela queda na taxa de juros, quem se planejou consegue fazer uma negociação ainda melhor.

No geral, a oferta de crédito dos maiores bancos brasileiros cobre até 80% do valor do apartamento adquirido, que deve ser juntado ao valor da entrada poupada pelo comprador. 

Mesmo quando uma porcentagem maior da compra é coberta pelo banco, quem tem mais dinheiro guardado acaba pagando menos pelo imóvel.

Isso acontece porque quem tem possibilidade de dar uma entrada maior, por exemplo, 50% do valor do apartamento, precisa financiar um valor menor pelo banco. Com isso, acaba pagando menor número de parcelas e, consequentemente, menor valor em juros, diminuindo o total gasto com o imóvel.

Oferta de crédito deve aumentar no Brasil

A agência de classificação de risco Moody’s prevê um aumento na oferta de crédito no Brasil nos próximos 12 a 18 meses. De acordo com a avaliação feita, a queda na inadimplência e a volta do crescimento da classe média deve impulsionar a expansão do mercado de financiamento imobiliário.

Isso poderá ser bom para quem quer deixar para adquirir o imóvel no futuro, mas ao mesmo tempo vai fazer com que as vendas de casas e apartamentos melhorem de imediato. Como consequência, os valores tendem a sofrer ligeira elevação e os descontos que podem ser conquistados em 2018 devem sumir. Por isso, para quem quer garantir que vai aproveitar o bom momento e conquistar um bom valor, agora é uma boa hora para comprar imóvel.

Pesquisar bastante, negociar com a incorporadora, avaliar o imóvel e os benefícios que os arredores dele oferecem são as dicas para quem concluiu que agora é uma boa hora para comprar imóvel.

Se você ficou interessado na aquisição de um apartamento, veja algumas dicas para escolher o melhor para a sua necessidade.

 

Nova call to action